Cravada na serra, onde o Montemuro se inclina para saudar o Douro, resplandece a bela Felgueiras. Do S. Cristóvão ao Carvoeiro e do Ladário ao Côto, a terra parece repousar no regaço das montanhas, cheia de mimo, de afagos e de ternuras.

Ao longo da história foi-se expandindo muito graças às gentes trabalhadoras que se dedicavam essencialmente à agricultura e à criação de gado, actividades que ainda hoje, paralelamente à pequena indústria fazem parte das actividades da freguesia.

O património paisagístico e arquitectónico, a gastronomia típica, o artesanato e as tradições, as festas e feiras populares e a simpatia e hospitalidade da gente de Felgueiras são apenas alguns dos aspectos que convidam a uma visita. 

Com um relevo acidentado, a encosta de Montemuro está coberta de giestas, urzes e carqueja, embora salpicada aqui e ali por pinheiros bravos. No Monte de São Cristóvão, a 1.141 metros de altitude, o panorama é de cortar a respiração, montanhas rasgadas por vales profundos precipitam-se até ao rio Douro.

Do seu riquíssimo património arquitectónico podemos destacar a Igreja Paroquial de São João Baptista, o Santuário do Senhor dos Aflitos e também as várias capelas que existem em toda a freguesia. Recentemente foi também construído o Centro Comunitário de Felgueiras, um núcleo com inúmeras valências de apoio social, nomeadamente Centro de Dia e Noite, Apoio Domiciliário e Centro de Actividades de Tempos Livres.

Felgueiras é sem dúvida uma freguesia onde o passado e o presente se cruzam construindo um futuro mais moderno, uma aldeia de “boa gente” e bons costumes, repleta de histórias perdidas nas brumas do tempo.


energica